Fonte: OpenWeather

    Mandato


    'Nossa saúde precisa de socorro', diz vereadora Yomara Lins

    Em entrevista, Yomara Lins discorreu sobre seu foco na saúde e educação. A vereadora está entre as quatro mulheres na Câmara.

    | Autor:

     

    "Como advogada, defendi e fui a voz de muitas pessoas. Como vereadora, sou a voz de toda a população manauara"
    "Como advogada, defendi e fui a voz de muitas pessoas. Como vereadora, sou a voz de toda a população manauara" | Foto: Brayan Riker

    Eleita com 4.278 votos, Yomara Lins está entre as quatro mulheres a ocupar a Câmara Municipal de Manaus. Em seu primeiro mandato, Yomara é afiliada ao Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), e já integra comissões envolvendo família, saúde, educação e direitos de mulheres e idosos.

    Em entrevista exclusiva ao Em Tempo, a parlamentar discorreu sobre os principais desafios no parlamento e como pretende representar a população manauara, com projetos voltados, principalmente, à saúde e educação.

    EM TEMPO - Como vereadora de primeiro mandado, quais foram os principais desafios que a senhora se deparou nos últimos meses? Além, é claro, de ter assumido no meio de uma pandemia?

    Yomara Lins - Foi um grande desafio assumir o mandato no meio da pandemia, pois ficamos paralisados em nossas atividades e tivemos que manter o distanciamento por meio de sessões híbridas.

    Além disso, o primeiro desafio nessa nova etapa foi estudar com antecedência o funcionamento dos projetos de lei e regimentos internos. Já tenho experiência numa carreira jurídica como advogada, e como vereadora precisei aprender um pouco mais.

     

    "O primeiro desafio nessa nova etapa foi estudar com antecedência o funcionamento dos projetos de lei e regimentos internos"
    "O primeiro desafio nessa nova etapa foi estudar com antecedência o funcionamento dos projetos de lei e regimentos internos" | Foto: Brayan Riker


    ET - Ao assumir como vereadora, a senhora abriu mão da carreira jurídica. Em meio aos desafios do mandato, como a senhora lida com esta realidade?

    YL - Como advogada, defendi e fui a voz de muitas pessoas. Como vereadora, sou a voz de toda a população manauara. Com isso, tenho a procuração para falar e legislar pela causa de todos os manauaras. Estou aqui como representante do povo de Manaus.


    "Não desejo uma cadeira legislativa fora da Câmara. Pretendo cumprir tudo que prometi na campanha, como fiscal da lei e voz do povo"

     


    ET -  A senhora propôs, por meio de um projeto de lei, o programa ambulatorial de fisioterapia respiratória para tratar de sequelas dos pacientes que tiveram Covid-19. Qual a importância da proposta para as vítimas da doença?

    YL - Perdemos vários entes queridos com a pandemia, a ainda precisamos lembrar que existe a pós Covid-19. Minha preocupação é com as milhares de pessoas que sofreram sequelas, e meu projeto visa atender esse público que precisa da assistência em saúde para se recuperar de problemas respiratórios.

    Além das sequelas da Covid-19, temos também o desemprego. Quem não tem condições de comprar um alimento não tem condições de pagar por um fisioterapeuta, por exemplo. É preciso reestabelecer empregos para esse público.

    "Sou também estudante de medicina e fiz vários estágios em UBS e vejo como a saúde precisa de socorro"

     

    ET - Vereadora, quais seus projetos para uma Manaus melhor?

    YL - Minha primeira bandeira é a saúde, e meus projetos são voltados à possibilidade de que Unidades Básicas de Saúde (UBS) funcionem com qualidade para pronto atendimento. Outro ponto é que o pai de família precisa de emprego, e tenho um projeto no intuito de levar cursos profissionalizantes aos bairros e comunidades para que esses indivíduos consigam sustento por uma profissão digna.

    ET -  A senhora assumiu o comando da frente parlamentar cristã. Algumas pessoas alegam que religião não deve se misturar com política. O que a vereadora pensa sobre?

    YL - A Frente Parlamentar Cristã, da qual sou vice-presidente, não carrega uma religião específica. Temos membros evangélicos, católicos e de outras crenças. E independentemente da religião, nossa bandeira é pela família, mulheres, idosos e crianças.

     

    "Nossa bandeira é pela família, mulheres, idosos e crianças"
    "Nossa bandeira é pela família, mulheres, idosos e crianças" | Foto: Brayan Riker

    ET -  Todo político tem uma grande bandeira de defesa em seus mandatos. Qual bandeira a vereadora diria que é a principal defesa em seu mandato?

    YL - Como falei há pouco, sou formada em Direito. Além disso, sou também estudante de medicina e fiz vários estágios em UBS e vejo como a saúde precisa de socorro. Sem a saúde, não podemos trabalhar ou sustentar nossos filhos. Minha bandeira é que possamos reestruturar essa pasta, contratando – além do médico de família – psicólogos, fisioterapeutas e dentistas. Assim, será possível aumentar o quantitativo profissional para o alcance mais pessoas.

    Além disso, uma única UBS não alcança a população inteira de um bairro. Temos boas equipes com profissionais comprometidas com seus trabalhos. O problema é que não é possível dar conta ao total de pacientes com necessidade de atendimento. Com isso, as pessoas recorrem aos hospitais, congestionando um local de média e grande complexidade. Sendo devidamente atendida nas Unidades Básicas de Saúde, essa população tem seu problema resolvido e isso desafoga o Sistema de Saúde.

    ET - Quais suas propostas aos autônomos de Manaus?

    YL - Tenho um grande carinho por aqueles que querem trabalhar, mas não conseguem emprego. Temos muitos manauaras sem oportunidades, de jovens a mães e pais que precisam cuidar dos filhos pequenos e não podem trabalhar ou estudar.

    A falta de estudos, além disso, não é por falta de vontade, e sim por falta de oportunidades. Como falei anteriormente, meu projeto de cursos profissionalizantes poderá ajudar a formar barbeiros, cabeleireiros, manicures. Assim, essas pessoas terão seu rendimento para o sustento de suas famílias. Poderão, também, ser registradas legalmente de maneira mais simplificada.

    "Meu projeto de cursos profissionalizantes poderá ajudar a formar barbeiros, cabeleireiros, manicures"

     

    ET - No parlamento, a senhora tem algum projeto em defesa dos direitos das mulheres?

    YL - Faço parte da Comissão de Defesa das Mulheres, e observamos que o índice de mulheres que sofrem violência tem aumentado, principalmente nessa época de pandemia. Muitas mulheres não conhecem seus direitos, e por isso estamos divulgando informações sobre as leis que as protegem, como é o caso da Lei Maria da Penha.

    Juntamente com outras vereadoras, lançamos uma cartilha para que o público feminino saiba como se proteger. Vejo que muitas mulheres não procuram ajuda, pois dependem financeiramente da pessoa que pratica as agressões, além da própria vergonha de expor o sofrimento à sociedade. Elas precisam conhecer as leis que as protegem, para assim entenderem que o agressor pode ser punido.

    ET - A educação no Brasil tem apresentado muitas fragilidades, e em Manaus a situação não é diferente. Na sua opinião, qual seria nossa maior fragilidade? E como a senhora pode contribuir para melhorar esse setor?

    Sou manauara e vejo que, infelizmente, nossa cidade tem muita carência na educação. Diante disso, precisamos desenvolver projetos para que adultos sejam alfabetizados, por exemplo. Estamos trabalhando na alfabetização dessas pessoas, afinal há um grande índice de analfabetismo na cidade.

    Também, com a situação da Covid-19, a situação piorou. Muitas aulas foram suspensas ou se tornaram remotas. Enquanto isso, muitos estudantes não possuem computador ou internet adequados, e isso gerou um grande prejuízo na educação de jovens e adultos A Câmara, nesse momento, precisa fiscalizar e atuar para que possamos salvar a educação de Manaus.

    ET - O que a população pode esperar de sua atuação política nos próximos anos? A senhora pretende focar numa cadeira na Assembleia ou Congresso Nacional?

    YL - Não desejo uma cadeira legislativa fora da Câmara. Pretendo cumprir tudo que prometi na campanha, como fiscal da lei e voz do povo. Desejo continuar levantando minhas bandeiras pela família, saúde, educação e ajuda econômica ao povo. Luto, também, por acessibilidade urbana, principalmente no caso de deficientes e idosos que sofrem com dificuldades pela cidade. Estou aqui para ouvir suas queixas, opiniões e sugestões. Na Câmara, serei sua voz.

    Leia mais:

    Minoria de mulheres nas casas legislativas movimenta Comissão

    Comissão de Segurança Pública discute sobre Guarda Municipal

    Vereadora propõe construção de creches em conjuntos habitacionais