Fonte: OpenWeather

    Construção


    No AM, custos da Construção Civil sobem 0,85% em maio

    O resultado representa uma desaceleração de 0,31 ponto percentual em relação a abril (1,16%)

     

    | Foto: Arquivo EM TEMPO

    Manaus –  O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) subiu 0,85% em maio, no Amazonas. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e demonstram que o resultado representa uma desaceleração de 0,31 ponto percentual em relação a abril (1,16%). No acumulado dos últimos 12 meses, a taxa é de 15,72%, acima dos 14,81% registrados nos doze meses imediatamente anteriores, e o maior da série histórica.

    A alta na variação de preços nos primeiros cinco meses do ano é de 4,69%. Já o custo da construção por metro quadrado, no estado, que em abril havia fechado em R$ 1.317,45, passou em maio para R$ 1.328,71, sendo R$ 812,3 relativos aos materiais e R$ 516,41, à mão de obra.

    Enquanto a alta no custo da construção foi de 0,85% na região - índice próximo ao da inflação para o mês (0,83%) - a alta registrada em âmbito nacional foi bem acima, alcançando 1,78%.

     

    De janeiro a maio, no país, o índice acumula alta de 4,69%, e a variação dos últimos doze meses foi 18,18%, ou seja, 1,87% p.p. acima da variação registrada em abril (16,31%).​​​​​​​

    A alta no custo médio representa o quinto menor aumento entre as outras unidades da federação. Os menores índices foram os de Santa Catarina, com 0,51%, Piauí, com 0,51%, e Amapá, com 0,31%; e os maiores, os do Rio de Janeiro, com 3,73%, Bahia, com 2,95% e Mato Grosso do Sul, com 2,66%.

    Componente Material e Mão de Obra

    O custo médio da componente material no estado, de R$812,30, foi o 10º maior preço encontrado em relação aos das outras unidades da federação.

    Os menores custos de material foram observados no Espírito Santo (R$ 746,34), Rio Grande do Norte (R$ 751,82) e Mato Grosso do Sul (R$ 758,27). E os maiores, no Acre (R$ 874,61), Tocantins (R$ 861,5) e Pará (R$ 852,68).


    Já o valor da componente mão de obra, de R$516,41, registrado em maio, é o sétimo menor custo em comparação com o custo das demais unidades da federação.

     

    Os menores custos de mão de obra foram registrados em Sergipe (R$ 464,36), Rio Grande do Norte (R$ 474,99) e Alagoas (R$ 482,76); e os maiores, no Rio de Janeiro (R$ 737,14), Santa Catarina (R$ 720,8) e São Paulo (R$ 647,14).  

    *Com informações do IBGE

    Veja mais:

    Setor imobiliário sofre com queda de 15% nas vendas no AM

    Mercado imobiliário amazonense sofre com queda em 2021

    No Amazonas, custo da construção sobe 1,16% em abril