Fonte: OpenWeather

    Meio Ambiente


    Amazonas fecha primeiro trimestre do ano com redução no desmatamento

    Redução representa menos 1,8 mil campos de futebol de área desmatada

     

    O estado apresentou queda de 12% na quantidade de alertas emitidos pelo Deter, o sistema de monitoramento de desmate do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).
    O estado apresentou queda de 12% na quantidade de alertas emitidos pelo Deter, o sistema de monitoramento de desmate do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). | Foto: Em Tempo*

    MANAUS (AM) - O Amazonas conseguiu reduzir o desmatamento no primeiro trimestre de 2021. Em relação ao mesmo período de 2020, o estado apresentou queda de 12% na quantidade de alertas emitidos pelo Deter, o sistema de monitoramento de desmate do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Os dados foram analisados e divulgados pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) nesta segunda-feira (12/04).

    De janeiro a março de 2020, o Amazonas acumulou 106,88 km² de alertas de desmatamento. Já neste ano, o sistema Deter constatou uma redução de 13,08 km² no índice, o que representa aproximadamente 1.831 campos de futebol a menos de área desmatada.

     

    | Foto: Em Tempo*

    O estado também apresentou queda nos alertas de desmatamento emitidos em março, mesmo diante do aumento recorde registrado na Amazônia para o mês, no recente histórico do Deter, desde 2015.

    Março deste ano registrou 367,61 km² de desmatamento na Amazônia, superando o recorde anterior de 2018 (356,6 km²), seguidos por 2020 (326,94 km²). O aumento com relação a março do ano passado chega a 12,6%.

    Na contramão dos índices, o Amazonas foi um dos três estados da Amazônia Legal que reduziram o número de alertas de desmatamento no mês. Foram 15,5% a menos de área desmatada, passando de 72,71 km² registrados em março de 2020, para 61,41 km² em março deste ano.

    Ações de monitoramento e combate

    Os dados do Deter são analisados pela Sema diariamente, por meio da Sala de Situação, a fim de auxiliar as equipes de fiscalização que atuam no sul do Amazonas, por meio da Operação Tamoiotatá. As análises geram informações que apontam a localização das principais áreas desmatamento na região, considerada a mais vulnerável para a ocorrência de desmatamentos e queimadas ilegais no estado.

    Eduardo Taveira

    O secretário do Meio Ambiente, Eduardo Taveira, destaca que essa dinâmica permanente de monitoramento ocorre desde a implementação do Plano de Prevenção e Combate ao Desmatamento e Queimadas (PPCDQ-AM), lançado em junho do ano passado. Em 2021, a proposta é também tornar fixa as bases de fiscalização no sul do estado.

    “No ano passado, no encerramento da Operação Curuquetê 2, nós fizemos uma avaliação de desempenho, e uma das ações de remediação foi iniciar mais cedo nossas operações em 2021. Tanto que a gente já lançou em março a Operação Tamoiotatá, que prevê a implementação de bases fixas em Humaitá e Apuí”, disse.

     

    * Com informações da assessoria. 

    Leia mais: 

    Amacro oferece cursos on-line sobre o desenvolvimento da Amazônia

    Incêndios florestais promovem expansão de savanas na Amazônia

    Madeira ilegal é apreendida em depósito clandestino no Jorge Teixeira