Fonte: OpenWeather

    Outubro Rosa


    Fisioterapia é imprescindível na recuperação após cirurgia de mama

    A fisioterapia nas diferentes etapas do tratamento de câncer é um grande auxílio na recuperação de pacientes atendidos

    As primeiras orientações são relacionadas aos exercícios, alongamentos, terapias, que precisam ser feitos após a cirurgia, assim como os movimentos que devem ser evitados logo após a cirurgia
    As primeiras orientações são relacionadas aos exercícios, alongamentos, terapias, que precisam ser feitos após a cirurgia, assim como os movimentos que devem ser evitados logo após a cirurgia | Foto: Rodrigo Santos/ SES-AM

    Manaus - De janeiro a setembro deste ano, o setor de fisioterapia, na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), atendeu 1.217 pessoas, totalizando 8.263 procedimentos. Para as pacientes, a fisioterapia ajuda não só na recuperação, como também na prevenção de complicações da doença. 

    A fisioterapia nas diferentes etapas do tratamento de câncer é um grande auxílio na recuperação de pacientes atendidos. 

    A fisioterapeuta Ana Loureiro explica que um dos principais papeis da fisioterapia é ajudar na recuperação dos movimentos dos membros próximos à cirurgia, que são afetados após a mastectomia (procedimento para a remoção da mama).

    “Essa população (de pacientes) tem um grande sofrimento funcional após a mastectomia e a fisioterapia consegue resolver toda a funcionalidade e melhorar o cotidiano dessa mulher, tanto para atividades diárias quanto para atividades instrumentais”, explica Ana. 

    As primeiras orientações são relacionadas aos exercícios, alongamentos, terapias, que precisam ser feitos após a cirurgia, assim como os movimentos que devem ser evitados logo após a cirurgia. 

    Logo após a cirurgia, a paciente recebe um novo reforço das orientações das profissionais de fisioterapia e após a alta e retirada dos pontos, ela retorna para o ambulatório do serviço. Patrícia ressalta que, após a cirurgia, há um tempo ideal para que a paciente retorne, geralmente, 15 dias após a mastectomia. 

    “Quando a gente recebe a paciente logo nesse pós-operatório imediato, a gente consegue evitar várias complicações funcionais. Quando a paciente não vem para o serviço de fisioterapia, e algumas sequelas se instalam, a gente tem um pouco mais de dificuldade para reverter”, destaca Patrícia.

    *Com informações da assessoria 

    Leia mais:

    Teve sequelas da Covid? Delphina terá ambulatório para casos 

    Novas áreas impulsionam mercado de trabalho para fisioterapeutas