Fonte: OpenWeather

    Prazer feminino


    Saiba como estimular o orgasmo feminino apenas cruzando as pernas

    Ter orgasmo sem usar as mãos? Técnica é realizada pela estimulação do clitóris ao friccionar as pernas, causando uma sensação de prazer

    | Foto: MOUSTACHEGIRL / ISTOCK

    Manaus - A masturbação feminina pode ser feita de diversas formas, seja com brinquedos sexuais, com a ajuda de um parceiro ou não, e ainda apenas com as mãos. Muitas mulheres alcançam o ápice do prazer de uma forma pouco falada: apenas com o cruzar da perna. Apesar de ser uma técnica usada por muitas mulheres, às vezes involuntariamente, é pouco falada.

    A psicóloga e sexóloga em formação, Neyla Siqueira (@amorsexoeafinss), explica que isso ocorre pelo atrito na área do clitóris, que é um órgão sexual feminino com mais de oito mil terminações nervosas. Estimular a imaginação na hora da excitação também é importante para manter a circulação sanguínea na área e, assim, a contração pélvica.

    “Uma das formas de praticar a masturbação feminina é com o cruzar das pernas. Tudo o que proporcione fricção na área do clitóris, é favorável. Quando você cruza as pernas automaticamente você ajusta a área da região íntima, que pressiona o clitóris, e a fricção das duas pernas e da calcinha faz com que a área seja estimulada. Junto com isso, a mulher estando excitada, o fluxo de sangue aumenta na área”, explica a psicóloga.

    O clitóris é o órgão exclusivo para o prazer feminino e quando estimulado, pode alcançar até 8 centímetros de comprimento
    O clitóris é o órgão exclusivo para o prazer feminino e quando estimulado, pode alcançar até 8 centímetros de comprimento | Foto: Reprodução

    O clitóris é o órgão exclusivo para o prazer feminino e quando estimulado, pode alcançar até 8 centímetros de comprimento. Sua anatomia permite que a mulher perceba quando está excitada, pois o órgão fica inchado com o fluxo de sangue. O canal vaginal e a uretra se tornam ainda mais sensíveis, proporcionando um prazer ainda maior.

    A técnica proporciona às mulheres, momentos de prazer inusitados. A estudante Adriana*, 26, conta que descobriu essa forma de sentir orgasmo quando ainda era pequena e continua até hoje. “Achava que só eu fazia isso. A primeira lembrança que tenho é de quando tinha 4 anos. Eu nem sabia o que era, mas era muito bom e até hoje eu continuo fazendo. Inclusive, até com meu namorado eu só consigo ter orgasmo assim. Pernas cruzadas, em qualquer posição, sempre gozo rapidamente e me sinto até mais relaxada, pronta para outra”, relata a jovem.

    Não há restrições

    A mulher tem esse ponto a seu favor, de se masturbar sem que ninguém saiba. A psicóloga explica que para a técnica funcionar não é necessário muito. O principal é que a mulher saiba que pode fazer, o psicológico é um fator relevante, que a mulher esteja excitada e que ela saiba quais movimentos dão prazer, conhecer a si e ao próprio corpo.

    “A minha cruzada de pernas é diferente da cruzada de pernas da Maria, que é diferente da cruzada de pernas da Ana. Então é descobrir de que forma fica melhor, não necessariamente um cruzar de pernas sentada, pode ser aquele cruzar de pernas deitada, até aquele aperto que a gente dá quando quer fazer xixi, querendo ou não ele também causa prazer. O pulo do gato é justamente a fricção no clitóris, de qualquer forma, junto com o roçar da calcinha”, explica Neyla.

    Não há nenhum tipo de restrição. A psicóloga afirma que a técnica é uma questão de liberdade sexual, só é necessário que as mulheres tenham cuidado ao fazer em público, para não deixar transparecer.

    “Um dos benefícios da masturbação é o autoconhecimento, é você se proporcionar prazer. Se você encontra prazer dessa forma, não há problema nenhum, desde que você não vicie ou desenvolva nada nesse sentido. Pode ser uma forma fácil de alcançar o orgasmo se a mulher tiver conhecimento do corpo dela, se ela souber utilizar a técnica, é como se estivesse usando os dedos, um vibrador”, finaliza a especialista.

    Leia mais

    Vale puxão de cabelo e palmadas na hora do sexo?

    Saiba o que mudou na rotina de quem 'pula a cerca', durante a pandemia

    Sem contato sexual, profissionais do sexo voltam ao trabalho em Berlim