Fonte: OpenWeather

    Seduc


    Governo do AM convoca mais de 1,2 mil aprovados em concurso

    Governador assinou a nomeação de 96 professores para atuar no Ensino Presencial

    Pela menos 90 professores irão ministrar aulas em cidades do interior do Amazonas
    Pela menos 90 professores irão ministrar aulas em cidades do interior do Amazonas | Foto: Lucas Albarado

    Manaus - O governador Wilson Lima anunciou, nesta terça-feira (17), a convocação 1.273 profissionais aprovados no concurso público da Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc). Desse total, o governador já assinou, na solenidade realizada hoje na sede do Governo do Estado, na Compensa, a nomeação de 96 professores para atuar no Ensino Presencial com Mediação Tecnológica, na capital e no interior.

    Pela menos 90 professores irão ministrar aulas em cidades do interior do Amazonas, e outros seis ficarão na capital. Na próxima semana, o governo irá convocar mais 350 professores, entre pedagogos, psicopedagogos e mais 800 profissionais da área administrativa, serviços gerais e serventes.

    A partir de segunda-feira (23) as aulas do interior do Amazonas vão retornar de forma presencial, na região metropolitana de Manaus, em 12 municípios, onde aproximadamente 50 mil alunos serão atendidos. A volta será de maneira híbrida, revezando grupos de alunos, durante os dias da semana.

    "No interior, as aulas não pararam. Em algumas localidades sem internet ou acesso a TV, para assistir o Aula em Casa, os professores garantiram que o material chegasse até os alunos, levando o material para os alunos, para que as aulas não parassem no interior", disse Lima. 

    As convocações acontecem por decisão judicial e reposição de efetivo, na educação, uma vez que, muitos profissionais temporários foram desligados do Estado, sendo necessária a chamada de novos professores.

    Os professores vão ocupar os cargos, assim que terminado o processo de chamada e entrega de documentos. Eles vão ocupar as cadeiras, nas cidades em que escolheram para lecionar. 

    Ribeirinhos

    Centenas de alunos das comunidades indígenas e ribeirinhas não foram alcançadas durante as aulas remotas, prejudicando o aprendizado. Por esse motivo, somente a educação indígena e tecnológica terão alterações no calendário. O Ministério da Educação (MEC) permitiu ao estado que os semestres que passaram, sejam divididos no próximo ano. 

    "As aulas não pararam no interior, mas não conseguimos levar isso para todos os estudantes indígenas e do ensino tecnológico. O MEC já autorizou que o ano que vem, nós possamos fazer dois calendários, com o de 2019 no primeiro semestre de 2021 e 2020 no segundo semestre",  relatou a Secretária de Educação do Interior, Ana Maria. 

    Muitos alunos precisam ir à escola, por necessitarem da alimentação que a instituição oferece, questão que foi uma das prioridades durante a pandemia, segundo o governo.

    "Nós tivemos uma preocupação muito grande para que os alunos não tivessem tantos prejuízos. Nós montamos uma ação para que a merenda fosse entregue na casa dos alunos", relatou o governador

    Na capital, as aulas presenciais voltaram no dia 30 de setembro, com a reabertura de 107 escolas de nível fundamental. O ensino é realizado de forma híbrida, com aulas em casa e por meio da televisão e internet. As mais de 100 escolas atendem mais de cem mil alunos na cidade. 

    Dos 96 professores convocados nesta sexta-feira, seis atuarão em Manaus e o restante, no interior do Amazonas. Os municípios em que eles atuarão são: Anamã, Atalaia do Norte, Autazes, Benjamin Constant, Beruri, Boca do Acre, Borba, Caapiranga, Canutama, Careiro da Várzea, Coari, Fonte Boa, Guajará, Humaitá, Ipixuna, Iranduba, Itacoatiara, Jutaí, Manacapuru, Manaquiri, Rio Preto da Eva, Santo Antônio do Içá, São Gabriel da Cachoeira, Silves, Uarini

    Leia mais: 

    Governo avalia flexibilização de restaurantes e flutuantes no Amazonas 

    Volume de crédito concedido pela Afeam em 2020 já supera o de 2019 

    'Governo estará aberto ao diálogo' , diz Wilson Lima ao votar